Dilma Rousseff e o terrorismo revolucionário

A comunista Dilma Rousseff foi descrita como tendo sido uma militante “disciplinada e dedicada”, além de ter demonstrado “grande capacidade de liderança” durante o período em que integrava os quadros da organização criminosa Colina (Comando de Libertação Nacional), grupo terrorista que possuía esconderijos em Belo Horizonte.


A descrição do perfil da então estudante Dilma Rousseff foi apresentada por Jorge Nahas, 67, e por Fernando Pimentel, 63, ex-ministro da pasta de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, em entrevistas ao UOL. Ambos participaram ao lado de Dilma nas organizações criminosas comunistas, inclusive no grupo Colina. Em 1969, Nahas tinha 23 anos e estudava medicina na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Já Pimentel, com 17 anos, era aluno do Colégio Estadual Central, localizado na capital mineira.


Ela sempre foi um quadro destacado, uma pessoa com qualidades, dedicada, muito disciplinada no que fazia, muito diligente e entregue à luta. Ela se aplicava muito nas tarefas”, afirmou Nahas.


Por sua vez, Pimentel contou que Dilma “sempre teve grande capacidade de liderança”. “Era aplicada, estudiosa e determinada. Sempre demonstrou coragem e inteireza moral na militância e na prisão”, escreveu Pimentel em e-mail para a reportagem do UOL.


Nahas disse ter integrado uma célula da Colina idealizada para o enfrentamento armado contra as Forças Armadas. Já Dilma seria de outra vertente da organização. “Nossa intenção era partir para um enfrentamento armado. Nós advogávamos a resistência armada à ditadura através da guerrilha rural e da guerrilha urbana”, disse Nahas. "A ditadura não te dava brecha. Ou você radicalizava ou então se submetia ao regime”, completou.

Quer ler mais?

Inscreva-se em www.gdoplay.com para continuar lendo esse post exclusivo.

Assine Agora
457 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo